Melhores Criptomoedas em 2019? 6 Fatores a Avaliar

[Atualizado para 2019]

No mundo das criptomoedas existem moedas em que vale a pena investir e outras que… nem tanto.

O delírio com as ICO’s (Initial Coin Offerings) serviu de berço para vários projetos promissores. Infelizmente, nem todos (talvez a maioria) reúnem as qualidades necessárias para ir longe.

Para um investidor, o ideal é saber identificar essas criptomoedas “podres” e ficar o mais longe possível delas.

Do lado inverso da moeda temos outras que se destacam positivamente! Essas são as melhores criptomoedas para se investir, tanto a médio como longo prazo.

Como saber distinguir entre boas e más criptomoedas?

Não é tanto uma ciência exata como gostaríamos que fosse…

Existe, no entanto, uma lista de fatores que podemos ter em consideração para nos ajudar a avaliar a qualidade de uma moeda, e consequentemente o seu potencial como investimento financeiro.

Trata-se de uma espécie de análise global à criptomoeda; se dispendermos algum tempo a perceber algumas caraterísticas fundamentais, as recompensas no futuro podem ser bastante proveitosas.

Em 2017 o mercado das criptomoedas foi “de loucos”. Quase todas as criptomoedas providenciaram lucros para os seus investidores.

Como exemplo, vejamos o que aconteceu a quem investiu 100€ em cada criptomoeda colocada no Top 10 do CoinMarketCap em Janeiro de 2017:

Retornos Criptomoedas Jan17-Dez17
Retornos Criptomoedas Jan.17 – Dez.17

No fim de contas, o investimento de 1.000€ transformou-se em 76.721€ no espaço de um ano, um retorno de 7.672%. O ano de 2017 pode ter assegurado a reforma para alguns indivíduos com idade entre os 20 e 30 anos!

Mas dificilmente veremos uma explosão de preço generalizada a curto prazo como esta. Cada vez mais, conseguir “acertar” na melhor criptomoeda faz diferença neste mercado.

Estas subidas de valores criaram um ciclo de feedback positivo que atrai cada vez mais investimento para as criptomoedas.

Inevitavelmente houve maus investimentos também, com dinheiro a ser indescriminadamente “atirado” para este mercado em grande parte devido à especulação que houve.

Como foi 2018 para as criptomoedas?

Numa única palavra: correção.

No universo financeiro (e não só) tudo o que sobe muito rápido eventualmente acaba por descer. Não é um crescimento sustentável. 

Retornos Criptomoedas Jan17 - Jan19
Retornos Criptomoedas Jan. 17 a Jan. 19

Porém, como se vê no quadro em cima, os ganhos para quem fez hold no período de Janeiro 2017 a Janeiro 2019 não deixam de ser surpreendentes – mesmo após a correção em 2018!

O mesmo investimento apresenta um ganho de quase 400%, em 2 anos!

Poucos ou nenhuns são os ativos em que podes investir com este tipo de rendimentos… Mesmo ignorando os períodos “hyped“, a Bitcoin e o mercado das criptomoedas em geral tem tendência em apresentar rendimentos fora do comum.

É por isso que muitos entusiastas de criptomoedas defendem: hold!

Quem acredita nas criptomoedas e acredita no seu valor intrínseco, investe neste mercado com perspectivas de longo prazo. Geralmente, quando os investimentos em criptomoedas são segurados por um período superior a 1 ou 2 anos, tendem a gerar lucro ao investidor.

Mas atenção:

Quem investiu nos períodos finais do ano 2017, está sujeito a ter que esperar mais tempo até ver lucro, visto que a especulação durante esse ano foi enorme.

Este padrão de comportamento do preço (picos e correções) tem sido uma constante no histórico de preço da Bitcoin. Isto é útil ter presente, especialmente quando queremos saber se ainda vale a pena comprar Bitcoin!

Se nos distanciarmos para observar o panorama global, a blockchain ainda é uma tecnologia recente, com cada vez mais melhorias a serem implementadas para melhorar a sua utlização em grande escala.

No caso das criptomoedas o potencial revolucionário de incentivar a criação de uma economia descentralizada é o que desperta um enorme entusiasmo tanto pela própria tecnologia, como pelos retornos financeiros que ainda podem ser colhidos.

Voltando a nossa atenção para os detalhes, reunimos uma lista de 6 fatores a ter em conta para avaliar e escolher as melhores para investir em 2019, entre as centenas de possibilidades que existem atualmente.


1. Inovação tecnológica

A Bitcoin preocupa alguns investidores de longo-prazo pelo facto da sua tecnologia não ser facilmente escalável.

Um excesso de utilizadores pode tornar a rede muito pesada para que esta seja viável de se utilizar (elevados custos e lentidão transacional são possíveis consequências).

Não queremos com isto afirmar que a Bitcoin é um mau investimento; cada vez mais são desenvolvidas soluções para este problema, como é o caso da Lightning Network.

Existem no entanto outras criptomoedas que procuram solucionar isto de raíz, implementando tecnologias de rede distribuída mais sofisticadas com algoritmos de consenso mais eficientes. O resultado é uma rede mais ágil com transações quase instantâneas e com uma pegada ecológica consideravelmente menor.

Porque não arriscar numa destas moedas menos dominantes mas com bons fundamentos técnicos?

Como já vimos nem sempre é preciso investir muito para ter bons retornos. Exemplos de moedas que encaixam nesta categoria são IOTA (MIOTA) e Nano (NANO).

2. Volume de trading

À partida… Quanto maior for o volume, melhor!

O volume pode ser usado como um indicador que reflete a quantidade da moeda que é comprada e vendida. Serve como pista para o interesse geral que existe em torno da criptomoeda.

As criptomoedas já são voláteis habitualmente… Mas um baixo volume no preço torna-o ainda mais suscetível a grandes variações!

A imagem acima mostra que apesar do ranking ser superior, a Tezos (XTZ) tem um baixo volume de trading, o que pode ser um mau indicador.

A NEM (NEM), por exemplo, tem um volume 10 vezes superior, que lhe confere mais estabilidade na hora de se falar em movimentações no preço.

3. Capitalização de mercado (market cap)

Juntamente com o volume, outro indicador financeiro a ter em conta é a capitalização de mercado da criptomoeda em questão, conhecida em inglês como market cap. Ele é calculado multiplicando:

  • Market Cap = Nº de moedas x Preço da moeda

Aqui a regra de ouro é evitar moedas com uma capitalização muito baixa (cerca de 10.000$).

Quanto menor for o market cap mais fácil será a manipualção do preço dessa moeda, como acontece com esquemas fraudulentos de pump & dump – quando alguém com muito capital consegue influenciar preços de uma moeda para ganho próprio.

4. Comunidade

Em muitos casos a comunidade em torno de uma criptomoeda torna-a mais resiliente. Este interesse mantém compradores ativos o que sustenta o crescimento de um projeto.

Um exemplo de uma moeda com uma grande comunidade é a VeChain (VET). A certa altura o Reddit chegou a banir menções a esta moeda! Como seria de esperar a comunidade reagiu com desagrado.

VeChain Reddit
VeChain post @ Reddit

As respetivas páginas das moedas no Reddit, Twitter e Facebook são uma excelente forma de medir o apoio que a moeda tem:

Criptomoedas engagement - coingecko
Podes consultar o engagement nas redes sociais em fontes como o CoinGecko.com

5. Escalabilidade

Um outro ponto a ter em atenção é o potencial de crescimento do projeto. Seja pela dificuldade de mineração, pelo “peso” da rede ou até mesmo por bugs na plataforma, muitas criptomoedas apresentam problemas de escalabilidade.

A questão prende-se em selecionar projetos que apresentem um roadmap lógico e consistente. Ou então projetos que mostrem ter uma equipa tecnicamente capaz de re-desenhar o projeto, caso seja necessário.

Tal como mencionámos, no caso da Bitcoin, a equipa responsável pelo seu desenvolvimento tem estado incrivelmente ativa para inventar soluções para os seus problema de escalabilidade.

O mesmo se aplica à Ethereum (ETH), que vai alterar o seu algoritmo de consenso de Proof-of-Work para Proof-of-Stake e, com isto, introduzir novas funcionalidades à plataforma.

A melhor parte…

Muitas vezes não é preciso procurar ativamente por estas informações. Elas acabam por ir parar aos cabeçalhos das notícias que se espalham pelas redes sociais ou pela “crypto media”.

No entanto, se for de vosso interesse, podem sempre consultar o GitHub das moedas em questão para acompanhar os desenvolvimentos mais a fundo.

6. Conhecer a proposta de valor da criptomoeda

Para não tornar a nossa lista desinteressante deixámos um dos pontos mais importantes para o fim.

Devemo-nos perguntar: qual é o propósito desta moeda? Já existe algo assim?

Tanto a TRON (TRX) como a Stellar (XLM) têm objetivos altamente ambiciosos que, se alcançados, poderiam revolucionar a maneira como segmentos distintos da sociedade interagem entre si.

No caso da TRON destaca-se uma meta específica de descentralizar os serviços de entretenimento como Netflix e Youtube.

Já a Stellar é uma criptomoeda mais virada para a área financeira. Graças à qualidade do projeto, esta criptomoeda assegura parcerias com empresas como a IBM e a Deloitte.

Procura também análises sobre as moedas em que tens interesse para perceberes o “bigger goal” da criptomoeda em questão.

Para os mais exigentes faz sentido ler o Whitepaper do projeto. Este documento é quase que uma “tese” da criptomoeda que responde às perguntas:

  • Qual é a visão?
  • Qual é o problema que vai resolver?
  • Como é que vai resolver o problema (instruções técnicas)?
  • Quem é a equipa?

Conclusão

Não existem dúvidas que algumas criptomoedas vieram para ficar!

Identificar essas “galinhas de ovos de ouro” é uma excelente jogada de investimento, porém nem sempre é fácil saber por onde começar.

Seguir esta lista de 6 fatores é um ótimo ponto de partida. Não é um trabalho de casa difícil se seguires estas dicas, e a recompensa pode vir a valer muito a pena.

Um último ponto-chave a reforçar aqui é que esta avaliação a uma criptomoeda deve ter em conta todos estes fatores em simultâneo. Não se deve ser focada apenas em um ou dois aspetos.

Se não tens experiência com investimentos em criptomoedas, um bom ponto de partida pode ser a eToro.

É uma plataforma de negociação online que possiblita a negociação com criptomoedas, de forma regulada de acordo a lei Europeia. É a melhor opção para quem procura uma forma rápida, segura e intuitiva de investir em criptomoedas.

Caso já tenha comprado Bitcoin e saiba lidar com wallets, a Binance é uma das melhores bolsas para poder negociar com dezenas de criptomoedas que existem no mercado.

Registra-te pelo link em baixo para teres 10% de desconto nas taxas:



2 comentários

  • alves

    ” Ao contrário do dinheiro normal (Euro ou Dólar) a aceitação destas moedas é puramente voluntária por isso deve-se ter em consideração o quão provável é que outras pessoas queiram vir a usá-las”

    Verdade!

  • Leonardo Branco

    A melhor criptomoeda para mim continua a ser o BTC mas acho que há umas por aí que ainda vão supreender 😉 Faço hold de VET

Comentar