Staking: Gerar Lucro Passivo Com Criptomoedas?

Com algumas criptomoedas é possível fazer algo chamado staking. Isto faz com que consigas receber um pequeno rendimento passivo, sem grande esforço.

O que é o staking e com que criptomoedas se pode fazer?

Temos a resposta para estas dúvidas!

O que é o staking?

Todas as blockchains têm algo em comum:

As transações precisam de ser validadas.

A Bitcoin, por exemplo, fá-lo através de um processo chamado “mining“. Uma das principais desvantagens do algoritmo de consenso usado para isto – o Proof-of-Work (PoW) – é o facto de usar bastante eletricidade.

Outra contrapartida é que hoje é em dia é muito difícil para um cidadão comum conseguir ter recursos para fazer mining de Bitcoin!

Existem, no entanto outros mecanismos de consenso, que permitem validar as transações de uma blockchain.

O Proof-of-Stake (PoS) é um desses mecanismos de consenso, que surge com diferentes versões, inclusive modelos híbridos.

Para simplificar, vamos-nos referir ao processo de validação com estes mecanismos Proof-of-Stake como “staking“.

Staking de criptomoedas atribui ao detentor das moedas poder de decisão na rede. Quando fazes staking de uma criptomoeda, ganhas poder de validação e a possibilidade de gerares um rendimento passivo pelo teu contributo.

No mundo financeiro como o conhecemos, é semelhante a receberes um juro do teu banco pelo dinheiro que tens lá guardado (tipo um depósito a prazo, por exemplo).

No mecanismo Proof-of-Stake, o montante de criptomoedas que tens na tua carteira (a tua stake) é o que tem valor caso queiras fazer staking.

Ora, quanto maior esse montante, maior o teu poder na blockchain para ajudar a validar o próximo bloco da rede e ser recompensado por isso.

Existem 2 opções para fazer staking:

  • Ou fazes por ti mesmo usando uma wallet respetiva da criptomoeda ou um dispositivo físico (Ledger Nano, por exemplo).
  • Ou usas uma staking pool (como iremos ver mais á frente).

Staking como investimento

Staking ROI - retornos
Ao invés de teres as moedas paradas, estas podem ser usadas para gerar lucro passivo!

Basicamente, recebes uma percentagem da tua stake como recompensa.

Imagina que te juntas a uma staking pool:

1) Tens uma stake de 10.000 criptomoedas TRON.
2) A staking pool paga-te 5% ao ano.
3) No final do ano, a staking pool paga-te 500 TRON.


Assim simples!

Agora repara:

Supõe que num período em que tinhas 100 tokens a valer 100€, os usaste para fazer staking.

Passado um mês, essa moeda valorizou e os 100 tokens que tinhas passaram a valer mais (200€ por exemplo).

Imagina o quão bom seria se, graças ao staking, em vez de 100 tokens, tivesses 110 tokens. Tinhas mais 10 tokens, a valer 20€!

Quanto à segurança…

Algumas moedas adicionaram aleatoriedade ao processo de staking de forma a dificultar a vida a quem queira comprometer a integridade da rede.

Este processo é semelhante a uma lotaria. O número de criptomoedas que deténs corresponde ao “número de cartões” que tens ao teu dispor.

Alguns sistemas de staking também permitem delegação. Ou seja, os indivíduos têm a possibilidade de delegar os seus direitos de validação e recompensas a um terceiro membro, que garante essa segurança.

Estes terceiros ganham as recompensas totais pela validação dos blocos e pagam aos seus “investidores” os dividendos de acordo com a sua stake – aqui nascem as staking pools.

  • Curiosidade: uma das versões híbridas do PoS é o Delegated Proof-of-Staking (DPoS).

Como funciona uma Staking Pool?

Staking solo vs staking pool

As staking pools são focadas em retirar o máximo da capacidade de stakes individuais. Conseguem isto através do velho ditado “Juntos somos mais fortes!”

Geralmente, quanto maior a staking pool, maiores são as suas chances de ser escolhida para verificar o próximo bloco e receber uma recompensa.

Por exemplo:

1) O Diogo tem uma staking wallet com 1.000 Cardano (ADA) e quer fazer staking de forma autónoma através da sua wallet.

2 – O Rodrigo participa numa staking pool, contribuindo com as suas moedas de Cardano que tem em carteira. A stake dessa staking pool (com a contribuição do Rodrigo) são 2 milhões de Cardano.

3 – Quando um bloco precisa de ser encaixado, a blockchain tenta encontrar a melhor staking wallet para fazê-lo.

4 – Pelo que, apenas com 1.000 Cardano, será difícil para o Diogo ser o escolhido. Principalmente, quando compete com os 2 milhões de Cardano que tem a staking pool onde participa o Rodrigo.

Mas atenção!

Apesar de o Rodrigo ter mais chances de estar envolvido na verificação do próximo bloco, a staking pool poderá cobrar uma percentagem dos seus ganhos como uma taxa pelo seu serviço.

Benefícios do staking

“Independentemente das condições de mercado, staking gera retornos sob o formato do cripto-ativo que está a ser “staked”. Se vais comprar criptomoedas considera fazer staking também.”

Paul Veradittakit, Sócio e investidor na Pantera Capital (fundo de investimento em projetos desenvolvidos em blockchain).

Por um lado, staking elimina fatores problemáticos associados à mineração em Proof-of-Work, como:

  • a necessidade de comprar continuamente hardware novo (e caro);
  • o consumo excessivo de energia para manter uma blockchain.

Além disto, como já dissemos, este sistema oferece retornos garantidos e uma fonte de rendimento previsível.

Cada vez mais, as equipas de desenvolvimento das criptomoedas olham para o staking também como uma forma de incentivar os usuários a melhorar e contribuir para a rede da criptomoeda.

Ou seja, os benefícios são em duplicado:

1) Não só há o aumento do número total de criptomoedas como retorno pelo staking;

2) Como também, existe o benefício para a blockchain da criptomoeda.

O facto de as criptomoedas estarem alocadas (frozen) para staking faz com que o número de criptomoedas em circulação seja menor.

Teoricamente, isto melhora o ecossistema da criptomoeda na medida em que não fica tão exposta às especulações bruscas de preço.

Como fazer staking com criptomoedas?

Existem diversas criptomoedas que te permitem fazer staking. A Tron, a NEO e a Cardano são apenas alguns exemplos.

A base para o fazeres é sempre a mesma. Tens que ter a criptomoeda (a tua stake) no teu portfólio.

No entanto, há pequenas divergências entre o que tens que fazer posteriormente.

Umas é só comprar (NEO). Outras precisam de ser enviadas para uma wallet e ter a autorização do usuário (ADA).

Ou então podes sempre juntar-te a uma staking pool como vimos antes.

Independentemente disso, compensa sempre fazeres uma análise às recompensas que podes obter com os mais variadas criptomoedas.

No stakingrewards.com encontras a lista completa dos tokens que podes fazer staking e dos retornos esperados com cada um. Excelente website!

Vamos então ver como podes fazer staking com algumas das criptomoedas principais do mercado:

EOS (EOS)

EOS staking
Desenvolvida por uma empresa chamada block.one, a primeira versão da EOS foi lançada em Setembro de 2017.

A EOS é uma plataforma capaz de simular um computador na blockchain. Isto faz dela uma poderosa infraestrutura para o desenvolvimento de aplicações descentralizadas (dApps).

Nota: Para fazeres staking terás de comprar a criptomoeda. Podes comprar EOS na Binance, por exemplo.

Assim que tiveres comprado esta criptomoeda, deverás levantar as EOS para a tua wallet.

O guia da EOS explica-te como fazer staking no software da Scatter (wallet que permite o armazenamento de ETH, TRX e EOS).

Tron (TRX)

TRON Criptomoeda
O projeto desta criptomoeda foi iniciado em 2017 pela Tron Foundation, uma empresa sem fins lucrativos com origem em Singapura.

A Tron pretende ser uma plataforma descentralizada que usa a blockchain para partilhar e rentabilizar conteúdos de entretenimento.

TRONIX (TRX) é a criptomoeda oficial do projeto e foi criada pela Fundação Tron, uma Organização Sem Fins Lucrativos com sede em Singapura.

Podes comprar esta criptomoeda na Binance.

E, posteriormente, poderás juntar-te a uma staking pool como a stakecube.net.

Ou, levantar as TRX para a tua carteira da Tron e fazê-lo por ti mesmo. Para tal, basta selecionares o botão “freeze” na página do teu “balanço”. E escolheres o montante de TRX que queres pôr em staking.

NEO (NEO)

NEO
Entitulado de “A Ethereum da China”, esta plataforma fez o seu re-branding para NEO em 2017 com um novo look e uma visão atualizada.

A NEO é um protocolo em blockchain lançado na China em 2016 sob o nome original de “AntShares”.

Este projeto é um dos que permite aos programadores desenvolverdApps, dentro da sua blockchain.

Isto permite que os utilizadores, ou até alguns negócios, possam usar estas aplicações para gaming, serviços de autenticação, Internet of Things ou logística.

Na verdade, o projeto NEO é constituído por 2 tokens: NEO e GAS.

NEO, ao invés do que acontece com a maior parte das criptomoedas, não é divisível. A unidade mínima de NEO é 1.

GAS, por sua vez, já é divisível até 1 unidade de Satoshi – 8 casas decimais, basicamente. Este token, serve como combustível para a NEO.

E o mero facto de armazenares NEO no local correto, gera-te GAS como rendimento.

Mais uma vez, nós sugerimos a Binance:

Até porque a própria exchange faz o staking por ti automaticamente.

Como? Armazenando o GAS correspondente à tua stake de NEO na tua conta.

  • Nota: no entanto, lembra-te que não é recomendado guardar grandes volumes em exchanges.

Cardano (ADA)

cardano criptomoeda
A equipa deste projecto é constituída por uma série de experts em tecnologia, engenharia e estudos académicos.

A Cardano é uma plataforma de smart contracts constituída por uma blockchain pública descentralizada e um token: a ADA.

Neste projeto, podes fazer stake das tuas moedas por ti mesmo ou podes juntar-te a uma staking pool como a cryptogrill.

Independemente de qual seja o método que vais usar, terás sempre de comprar ADA primeiro.

Assim que tiveres comprado esta criptomoeda, poderás transferi-la para a carteira da Cardano – a Daedalus.

Aí tens a opção de fazer staking das tuas ADA de forma simples e segura.

Stellar (XLM)

stellar-logo
A Stellar é uma plataforma que conecta os bancos e sistemas de pagamentos com as pessoas.

A ideia da Stellar passa por transferir dinheiro de forma rápida e segura com um custo extremamente reduzido.

O produto insere-se na indústria FinTech (tecnologias financeiras).

O projeto promete que ao usar XLM (a criptomoeda da Stellar) será possível agilizar todo o processo de transferências monetárias entre fronteiras e diferentes instituições.

A Stellar é, por isso, vista como uma das maiores concorrentes da Ripple que também é uma Fintech com propósitos semelhantes.

Assim que tiveres comprado XLM poderás fazer staking quando te juntares a uma pool como a Lumenaut ou armazenares as tuas criptomoedas na Lobstrwallet de Stellar.

Bons investimentos 🙂