Vale a pena investir em Bitcoin em 2019? Tudo o que precisas saber!

Depois de uma jornada repleta de altos e baixos, muitos se questionam se: vale a pena investir em Bitcoin?

É uma dúvida perfeitamente normal, pois não existem investimentos 100% seguros; e caso existam, certamente não é a Bitcoin!

O que leva então ao interesse gerado por esta moeda?

Será a tecnologia por trás, conhecida como blockchain? Ou o potencial de gerar lucros exorbitantes?

Neste artigo procuramos reunir informações que ajudem a perceber se investir neste mercado é uma decisão acertada a esta altura.

1. Perspetiva Histórica

A Bitcoin, cuja sigla é BTC, foi a primeira criptomoeda criada, tendo sido concebida em 2008. Hoje em dia, apesar de existirem inúmeras outras moedas, a Bitcoin continua a desfrutar de um forte domínio no mercado.

As origens desta criptomoeda remontam ao tempo em que a crise económica de 2008 começou a fazer sentir as suas consequências devastadoras pelo mundo.

Em Portugal, o abalo foi bastante sentido com a intervenção do FMI (Fundo Monetário Internacional), que obrigou a medidas económicas bastante constrangedoras para a população nacional.

Um dos grandes motivos que perpetuou o aparecimento desta crise foi uma má gestão financeira por parte de grandes instituições bancárias que, juntamente com os governos, são responsáveis por controlar as variáveis que formam o cockpit da economia global.

Bitcoin: a Moeda Descentralizada

A tecnologia por trás da Bitcoin chama-se blockchain, e é a grande responsável pelo funcionamento desta criptomoeda. É graças a ela que a Bitcoin é a primeira moeda descentralizada – ou seja, que não depende de nenhuma entidade central para garantir sua integridade como meio de reserva ou transação de valor.

Tipos de Redes - Centralizada, Descentralizada e Distribuída
Tipos de redes

Descentralizada? Quais são as vantagens?

A Bitcoin não é controlada por bancos ou governos. Este controlo é colocado inteiramente na mão dos utilizadores que participam na rede da Bitcoin e que formam a sua rede blockchain.

São estes fundamentos que tornam esta criptomoeda tão única e revolucionária aos olhos dos seus entusiastas.

Existem ainda outros fatores que também contribuem para a popularidade desta criptomoeda, como:

  • a facilidade de realizar transações entre fronteiras a baixo custo e com rapidez, independentemente do valor transacionado;
  • o facto de ela poder servir como uma reserva de valor digital (como se fosse uma espécie de ouro digital).

Neste caso, todo o mecanismo por trás das variáveis económicas são controladas pela blockchain, que por sua vez é mantida pela rede descentralizada de utilizadores que a compõem.

Por sua vez, a gestão da blockchain da Bitcoin é feita de acordo com fundamentos científicos do campo da informática, economia, matemática e criptografia. Como tal, não é possível criar mais Bitcoins além daqueles que estão programados para existir.

Hoje em dia estão em circulação cerca de 17.500.000 BTC. O máximo de Bitcoins que alguma vez poderá existir são 21.000.000 BTC – um número que será atingido no ano 2140! A criação de novas Bitcoins é conseguida através de um processo conhecido como mineração.

  • Curiosidade: o facto de o número de Bitcoins ser limitado faz com que, teoricamente, o seu valor venha a ser cada vez maior – assumindo que a procura vai aumentar enquanto a oferta vai diminuir.

Todas as transações feitas com esta criptomoeda podem ser feitas diretamente de pessoa para pessoa (peer-to-peer ou P2P), sem necessidade de uma autoridade que supervisione tudo o que se passa para garantir um bom funcionamento.

2. Investir em Bitcoin

Quando se investe em Bitcoin, investe-se não só na criptomoeda mas também na ideologia.

Ideologicamente, a Bitcoin abre portas a uma economia descentralizada que pode vir a alterar a nossa civilização e a maneira como ela interage.

Por exemplo:

Se recuarmos aos anos 90’s, data da invenção da Internet como hoje a conhecemos (a World Wide Web), quem investia nos negócios que apareciam nessa altura investia na hipótese de no futuro o comércio poder ser feito à distância, criando possibilidades que naquela altura nem se imaginava que viriam a concretizar-se.

Claro que a valorização do preço da Bitcoin ao longo destes últimos anos atrai imensa atenção de olhos gananciosos, que procuram entrar neste barco só para enriquecer.

Verdadeiramente espantoso é que muitos realmente o têm conseguido fazer!

Como?

Graças às flutuações do preço das criptomoedas que, em média, têm subido ao longo dos últimos anos. Isto é, quem investiu 100€ em Bitcoin em 2008 (quando uma BTC valia cêntimos), hoje em dia verá esse investimento valer milhões de euros – caso ainda não tenha vendido o seu investimento.

A matemática é simples de perceber:

1. Investe-se 100€ em BTC quando a criptomoeda vale 0,10€ – em 2008;
2. Consegue-se com isso comprar 1.000 BTC;
3. Em 2019: 1 BTC = 6.500€;
4. 6.500€ x 1.000 BTC = 6.500.000€

  • Nota: estas contas são feitas para um investimento em criptomoedas ao longo de 10 anos, que correspondem a um período de tempo em que o mercado cresceu bastante.

Um factor chave aqui é a volatilidade das variações do preço. Ele nunca sobe de forma gradual mas sim com oscilações bruscas, que beneficiam quem entra no mercado na altura certa.

Por esse motivo, é muito útil olhar para o comportamento do preço da BTC ao longo dos anos, para nos ajudar a encontrar padrões – e de facto perceber se vale a pena investir em Bitcoin.

3. Histórico do Preço da Bitcoin

Preço Bitcoin Histórico
De notar as frequentes oscilações de preço da Bitcoin (BTC).

Esta tabela, retirada do Wikipedia, mostra-nos as flutuações que o preço da Bitcoin sofreu desde a sua origem, quando valia cêntimos até aos dias de hoje em que o preço da BTC se encontra na faixa dos 8.000$ USD.

Existe claramente um padrão caracterizado por subidas fortes, e em seguida uma descida. Estas descidas são as chamadas “correções” do preço. Estas correções acontecem em todos os mercados quando o preço de um ativo financeiro sobe muito, num curto prazo de tempo.

Uma coisa é certa: a única coisa relacionada com criptomoedas mais volátil do que o seu preço, é a opinião sobre as mesmas.

Em alturas em que o preço da Bitcoin está em queda, certamente o que irão ouvir é algo tipo “Bitcoin está morta, é uma bolha económica!”.

Assim que o preço volta a subir e a atingir novos valores históricos, a opinião pública rapidamente troca a cassete e toca algo como “tem rendido imenso; é um excelente investimento; vai ser o futuro”.

Como já vimos na tabela anterior, estas descidas de preço não são nada de novo, já houve várias correções semelhantes no preço da Bitcoin.

Descida Preço Bitcoin
Correções do preço em 2011, 2012, 2013 e 2014. Fonte: Cointelegraph

Estas imagens, dão-nos uma percepção visual dos níveis a que estas correções podem chegar cada vez que a Bitcoin sobe da forma como subiu no final de 2017.

Na última ilustração de 2015 (em baixo, à esquerda) o preço, que tinha passado a marca dos 1.000$, caiu até aos 250$; uma queda de 75% do seu valor.

Ainda assim, quem investisse uns meros 100$ nessa altura – quando o preço se situava nos 1.000$hoje em dia teria transformado esse capital inicial em mais de 800$.

Uma valorização de 800% em quatro anos.

Comportamento do preço da Bitcoin nos últimos anos

Correção Preço Bitcoin 2018
A última correção do preço da Bitcoin 2017-2018

A última correção no preço da Bitcoin aconteceu durante o ano de 2018, que depois de ter chegado a quase a 20.000$ em Dezembro de 2017, desceu até aos 3.000$ em Dezembro de 2018.

No entanto ultimamente tem-se visto uma inversão desta tendência, com o mercado todo das criptomoedas a recuperar significativamente no ano de 2019.

preço da Bitcoin em 2019
Gráfico de preço da BTC em 2019

Para os otimistas da Bitcoin, isto pode traduzir-se em indícios de que a pior fase da correção do preço está ultrapassada, e o mercado das criptomoedas está pronto uma nova subida.

Aprendendo com o passado?

Voltando ao exemplo da Internet, quando essa tecnologia estava nos seus primórdios também passou por uma grande fase de bolha económica, conhecida como a Bolha Dot-Com.

Mais tarde, como se sabe, a Internet tornou-se indispensável nas nossas vidas, criando modelos de negócios e inúmeras outras coisas que não se imaginavam há 20 anos atrás.

A Amazon, que dispensa apresentações, é um dos exemplos de empresas que esteve presente durante essa bolha e manteve-se em pé até hoje. É curioso olharmos para o gráfico do preço das suas ações na imagem abaixo.

preço ações amazon na bolha dot-com até hoje
Preço das ações da Amazon durante a “Bolha Dot-Com”

É uma análise interessante de se fazer, principalmente porque tal como a Internet foi no ano 2000, a Blockchain e a Bitcoin são tecnologias emergentes com bastante potencial nos dias de hoje. Contudo, não podemos tomar como garantido que comportamentos do passado se repetirão no presente, pois muitas circunstâncias estão diferentes.

4. Devo investir em Bitcoin?

Nenhum investimento é seguro, todos têm riscos e ninguém te pode garantir nada!

Particularmente no mercado da BTC e outras criptomoedas, já demonstrámos que as variações de preço são bastante voláteis.

Se num dia investires 100€, corres o risco de após uma semana verificares que a Bitcoin desvalorizou e o teu investimento foi reduzido para 50€. Mas a tendência que se verifica historicamente é que, a longo-prazo, os investidores que são pacientes são os mais recompensados.

É possível que um ano depois te teres investido, o teu capital tenha aumentado para 500€.

Se com isto em mente te sentires confortável em investir em Bitcoin, não há porque não o fazer.

No entanto é importante que te mantenhas informado sobre preço e o mercado em geral, particularmente para identificar padrões e tendências do preço, e com isso escolher momentos oportunos de entrada. Isso vai ajudar a fazer valer a pena o teu investimento em Bitcoin ou em qualquer outra criptomoeda.

Aqui no CriptoInvest encontras artigos úteis sobre tópicos importante relacionados com criptomoedas e ferramentas de investimento, mas existem outras boas fontes de informação como o CryptoPanic ou o Reddit que aglomeram as notícias mais relevantes sobre o mercado.

5. Como investir em Bitcoin?

Hoje em dia existem alternativas que simplificam o processo de investimento em Bitcoin e outras criptomoedas.

Plataformas de investimento online como a eToro fornecem excelentes ferramentas para este objetivo, chamados CFD’s.

Ao investir através da eToro descarta-se a necessidade de configurar carteiras virtuais (wallets) e o processo de compra e venda de Bitcoin é também bastante simplificado.

Por outro lado, se esses entraves técnicos não se aplicarem, podes optar por comprar BTC diretamente numa exchange como a Binance.

Aí encontras uma lista de mais de 50 criptomoedas para transacionar.

Bons investimentos! 🙂