Volume no Mercado de Criptomoedas: Um Indicador Fiável?

Antecipar a direção do mercado é fundamental para conseguir lucros.

Para isso, devemos ter ferramentas de análise técnica que nos permitam obter pistas em tempo real. Para além do preço e da capitalização, o volume pode ser determinante na hora de investir.

Mas, e se os números nem sempre forem o que parecem?

Comecemos por dar um passo atrás…

1. O Que É o Volume?

O volume é provavelmente o melhor indicador para perceber a popularidade de uma criptomoeda.

Porquê?

O volume corresponde ao valor de todas as compras e vendas feitas durante um dado período de tempo, numa ou em várias exchanges.

Ou seja:

O volume será tanto maior quanto mais transações forem feitas, mostrando assim o interesse geral por uma determinada criptomoeda.

Imagina que nas últimas 24 horas não tinha existido uma única troca de Bitcoin. Nesse caso o volume seria zero. Se uma Bitcoin tivesse mudado de mãos duas vezes, então o volume seria equivalente ao valor de duas Bitcoins.

A popularidade das principais criptomoedas faz com que seja impossível apresentarem volumes diários baixos ou nulos. Devido às milhares de trocas efetuadas todos os dias, é natural que o volume ultrapasse os vários milhares de milhões de euros.

Números a mais?

Para ajudar a entender esta lógica, poderá ser interessante olhar para uma criptomoeda menos popular e ver o conceito aplicado numa escala bem mais pequena.

Se uma moeda for pouco trocada durante o dia, tiver um baixo valor, ou ambos, então o volume em euros será baixo, como o da criptomoeda acima.

Volumes baixos tornam as criptomoedas mais vulneráveis a grandes variações de preço. Isto é especialmente importante na hora de escolher as criptomoedas em que investir.

2. Volume: um Bom Indicador Técnico?

Por permitir aferir ao minuto as transações de cada criptomoeda, o volume torna-se um indicador essencial para os traders quando fazem análise técnica, permitindo estudar e antecipar determinados movimentos de preço.

Por exemplo:

  • Se o aumento de preço de uma criptomoeda for suportado por um volume forte, isso poderá significar que muitas pessoas a estão transacionar ou que alguém – uma chamada whale – está a trocar grandes quantidades dessa moeda, não sendo de estranhar que o seu valor continue a subir;
  • Por outro lado, se o volume não acompanhar o movimento de subida, então a trajetória de preço poderá ser pouco sustentável, uma vez que há pouco apoio ao movimento.

Em resumo:

Para além de permitir perceber o interesse numa determinada criptomoeda, o volume pode ser visto como uma ferramenta fundamental para entender a aceitação dos investidores face a determinados movimentos de preço.

Newsletter

Subscreve e recebe guias de investimento, ofertas exclusivas e todas as novidades sobre criptomoedas!

3. Indicador OBV – On Balance Volume

A análise de alterações no volume para tentar prever tendências é a base do indicador OBV (On-Balance Volume), desenvolvido em 1962 por Joseph Granville, que acreditava que o volume era a grande força que guiava os mercados.

O OBV é um indicador que soma continuamente o volume dos dias em que há variações positivas e subtrai o volume dos dias em que as variações são negativas.

A fórmula para o calcular é a seguinte:

  • Se o fecho de hoje for superior ao de ontem, então: OBV = OBV de ontem + Volume de hoje
  • Se o volume de hoje for inferior ao de ontem, então: OBV = OBV de ontem – Volume de hoje
  • Se o fecho de hoje for igual ao de ontem, então: OBV = OBV de ontem

Na prática, falamos de uma série na qual são continuamente somados ou subtraídos os volumes registados nos dias em análise.

Para perceber melhor, talvez seja bom olhar para a tabela abaixo, que ilustra uma aplicação concreta do OBV:

Evolução do OBV ao longo do tempo

A boa notícia é que muitas plataformas de negociação e/ou análise já incluem este popular indicador, pelo que não terás de ter todo este trabalho sempre que quiseres ver a linha do OBV.

De qualquer forma, uma vez que a análise dos dados estará sempre do teu lado, deverás ter presente o seguinte para incorporar este indicador nas tuas decisões de compra e venda:

  • Se o preço sobe e OBV sobe = Confirmação de tendência de alta
  • Se o preço desce e o OBV desce = Confirmação de tendência de baixa
  • Se o preço desce e OBV sobe = Possível reversão de tendência de baixa
  • Se o preço sobe e o OBV desce = Possível reversão de tendência de alta

Para perceberes melhor este comportamento, vê alguns exemplos:

Antevisão da reversão de queda através da análise do OBV
Em cima, a evolução do preço do XRP. Em baixo, a evolução do OBV.

Na imagem acima, o preço do XRP desce enquanto o OBV apresenta uma trajetória positiva. O que acabou por acontecer a seguir foi um reflexo do OBV no preço da criptomoeda, com uma reversão da tendência de queda e posterior subida de preço.

obv - on balance volume negativo
Em cima, a evolução do preço do ETH. Em baixo, a evolução do OBV.

Neste segundo caso, a trajetória de subida do ETH não foi acompanhada pelo OBV, havendo assim um comportamento divergente. Como o preço subia e o OBV apresentava sinais de queda, houve uma reversão da tendência de alta.

Estar atento ao volume é muito importante. Não é, por isso, de estranhar os resultados do inquérito feito pelo CoinDesk aos seu utilizadores, sobre o indicador mais útil em trading de criptomoedas:

Sem surpresas, o RSI – Índice de Força Relativa (Relative Strength Index) – foi o segundo indicador mais votado.

Esta preferência pelo volume enquanto indicador leva-nos para outra questão.

4. Volume Over the Counter (OTC) – Onde a Magia Acontece?

volume bitcoin over the counter

Será que o volume apresentado nas exchanges nos dá uma visão real dos verdadeiros montantes diariamente trocados?

A resposta mais direta é não.

Para além das exchanges públicas, há uma forma muito popular de comprar e vender criptomoedas que se dá pelo nome de Over the Counter (OTC).

Ao contrário de uma transação facilitada por uma exchange, em OTC a troca é direta. Duas partes decidem as condições em que aceitam negociar e completam o processo de compra e venda sem que haja um registo obrigatoriamente público.

Simplificando:

OTC é um modo de trocar criptomoedas num regime Peer-to-Peer (P2P) – e há formas muito populares de o fazer.

LocalBitcoins

O LocalBitcoins é na prática a democratização das trocas de Bitcoin em OTC. Através de uma plataforma online, os utilizadores podem encontrar compradores ou vendedores que preencham os seus critérios.

Trocas de Bitcoin P2P
LocalBitcoins já conta com mais de 1 milhão de utilizadores.

“As pessoas preferem comprar e vender Bitcoins OTC, pois possibilitam transações rápidas e com os mais diversos métodos de pagamento. Negociar diretamente com outras pessoas usando o mesmo provedor de pagamento faz com que o dinheiro se movimente muito mais rapidamente.”

LocalBitcoins

Isto faz com que o portal acabe por funcionar de forma semelhante ao OLX:

Os utilizadores publicam um anúncio em que definem o preço a que querem vender ou comprar, quantidade, opções de pagamento. Depois de comunicarem e acertarem detalhes com os interessados, efetua-se a transação.

Como é que o volume OTC influencia o mercado?

O volume OTC é todo aquele que é gerado por estes tipos de trocas direta.

No mercado das criptomoedas há um nome para os grandes investidores: whales ou, em português, baleias. São investidores que acumulam grandes quantidades de criptomoedas e que, por isso, ao fazerem transações provocam grandes alterações no volume.

Baleias de criptomoedas ou grandes investidores
OTC é uma forma de compra ou venda popular entre whales.

Por exemplo, numa exchange pública, uma ordem de compra ou venda de 1.000 Bitcoins chamaria a atenção de vários traders e poderia provocar alterações no preço. Se estivesses atento ao mercado, poderias acautelar a tua posição.

Em OTC, a não ser que tivesses boas fontes, a transação não seria do teu conhecimento.

Ou seja:

A existência do mercado OTC é um dos fatores que previne o acesso aos números totais do volume de trocas, não permitindo que o mercado funcione da mesma forma para todos.

Enquanto isso, os investidores que tenham informação privilegiada sobre os mercados OTC, poderão mais facilmente acautelar as suas posições nas exchages.

Qual é o volume OTC?

O problema para o comum dos mortais é precisamente este: se os negócios especializados em OTC não divulgarem esta informação, então a generalidade dos investidores não a vai conhecer.

Uma vez que a divulgação das transações OTC não é uma prática obrigatória, muito dificilmente alguma vez se saberá ao certo qual o verdadeiro volume destas transações.

No entanto, de acordo com um relatório do Grupo TABB (acesso pago), o volume no mercado OTC de Bitcoin em 2018 poderia ser já qualquer coisa como 2 a 3 vezes maior do que o das exchanges.

Isso significaria que, no limite, apenas 25% do volume diário de Bitcoin estaria a ser transacionado em exchanges!

Ou seja:

Grande parte do volume estaria a passar ao lado da análise de milhares de investidores.

Mas espera, há mais…

5. Volume Fantasma em Exchanges

Para além dos dados de volume aos quais podes não ter acesso, há ainda uma parte do volume que não é o que parece.

Para perceber este conceito é essencial ter presente uma ideia:

Uma exchange é tão mais interessante para um investidor quanto maior for a liquidez que aparenta ter.

Por norma, volumes altos costumam indicar também altos níveis de liquidez. A liquidez determina a facilidade com que um investidor consegue comprar ou vender as suas posições.

Para explicar isto, vamos supor o seguinte:

Imaginemos que os vendedores numa exchange não aceitam menos do que 10.000€ por uma Bitcoin. Os compradores, por seu lado, não estão dispostos a pagar mais do que 5.000€. Como a diferença entre os dois preços é grande, muito poucas transações irão concretizar-se. Ou seja, o volume será baixo e os investidores terão dificuldade em converter os seus ativos em dinheiro.

Bons níveis de liquidez permitem transações mais rápidas e eficientes. Quando o volume numa exchange é alto, os investidores ficam com a percepção de que as suas transações vão ser facilmente concretizadas, o que é especialmente importante para investidores que fazem day trading.

Assim sendo, algumas exchanges poderão questionar-se:

Porque não falsificar os dados do volume?

Uma vez que este não é um mercado regulado, os vários atores podem incorrer em práticas questionáveis sem grandes consequências.

Enquanto exchanges como o Binance ou o Coinbase têm uma reputação a defender, outras, mais pequenas, poderão seguir caminhos mais fáceis para captar a atenção dos grandes investidores.

Wash Trading

À falsificação dos valores do volume numa exchange dá-se o nome de Wash Trading.

O CoinMarketCap agrega dados de centenas de exchanges, mas algumas delas poderão estar a facultar dados falsos devido a práticas de Wash Trading, o que torna ainda mais difícil ter uma ideia correta do volume nas exchanges.

CoinMarketCap lista de criptomoedas
Top 10 exchanges de acordo com o Volume. Atualização diária no CoinMarketCap.

Como já tivemos a oportunidade de ver, volumes altos na troca de uma criptomoeda oferecem aos investidores um sentimento de mercado que pode ser essencial para tomar decisões. Se a informação a que têm acesso não for real, então as decisões que tomam podem muito facilmente ser erradas.

Na prática, uma transação pode ser facilmente fabricada se um investidor for ao mesmo tempo o vendedor e o comprador de um determinado montante. Se a mesma pessoa estiver dos dois lados da troca, nunca perde nada, aumentando apenas o volume na exchange.

E, graças à tecnologia, o processo ainda se torna mais fácil:

“É fácil para uma exchange criar um bot que faça um padrão de trading de forma a que nem seja preciso fazer estas transações a um nível pessoal.”

Gavin Brown, Professor de Finanças na Manchester Metropolitan University, em entrevista à Forbes

Práticas deste género podem acontecer também nos mercados tradicionais mas, graças à regulação, tornam-se comportamentos mais arriscados, uma vez que é uma prática proibida.

Implicações do Wash Trading

Com volumes manipulados, as decisões de investimento passam a ter por base falsos pressupostos, tornando-as ainda mais falíveis.

Uma investigação feita pelo Wall Street Journal em Outubro de 2018 mostrava que 67% do volume de trocas de Bitcoin era pura ilusão.

Já em 2019, no seu relatório sobre boas práticas, o Blockchain Transparency Institute (BTI) analisou as principais exchanges de acordo com o CoinMarketCap e chegou a uma conclusão impressionante:

Em 17 das 25 principais exchanges o Wash Trading chegava a superar os 99% do volume apresentado!

Por esse motivo, e de forma a credibilizar as plataformas que jogam “limpo”, o BTI criou um índice com o volume real em exchanges que considera credíveis:

Blockchain Transparency Institute - volume real
Números são atualizados diariamente no Blockchain Transparency Institute.

O Wash Trading é uma prática reprovável que acrescenta incerteza ao mercado de criptomoedas e o descredibiliza.

Numa altura em que muitos bancos e outras instituições financeiras já têm criptomoedas nos seus portfólios, ficando mais expostos a este mercado e aos seus problemas, a falsificação de informação pode ter consequências graves para a Economia global.

Conclusão

  • O volume é um indicador importante, porque permite saber se há muitas pessoas ou não a comprar uma determinada criptomoeda.
  • A análise do volume, tal como acontece com outros indicadores, pode ser importante na altura de tomar decisões de investimento mais fundamentadas.
  • O volume OTC é bastante significativo, podendo influenciar o mercado, e dificilmente pode ser conhecido pela generalidade dos investidores.
  • O volume fantasma é fabricado por exchanges pouco conhecidas através de práticas de Wash Trading, representando um problema sério que as instituições já procuram resolver.
  • Num mercado já difícil de analisar devido à sua grande volatilidade, a possível ausência de dados de volume completos, como acontece devido ao OTC Trading, ou a introdução de dados forjados, como no caso do Wash Trading, torna ainda mais difícil antever movimentações.
  • Só uma maior regulação poderá ajudar a mitigar este tipo de problemas e, assim, contribuir para a credibilização do mercado de criptomoedas.


Adicionar um comentário